Aprende a Jogar

Aprende a Jogar

RECEÇÃO E CONTROLO DA BOLA

                              

Gesto ativo de receber a bola, controlando-a, utilizando um dos pés – parte interna, após eventual passe de um companheiro. A receção da bola, pode ser feita pela parte interna do pé e pela planta do pé.

COMPONENTES CRÍTICAS

. Avançar o pé na direção da bola

. Manter os olhos na bola, durante a sua trajetória

. Fazer uma receção ativa: ir ao encontro da bola

. A receção deve ser feita com a perna descontraída – amortecer o impacto da bola

 

 

CONDUÇÃO DA BOLA

  

Forma de progressão no campo, pelo jogador com posse de bola, sem oposição, através de um ou mais toques na bola. 

COMPONENTES CRÍTICAS

. Bater na bola, com a parte interna/externa do pé

. Tronco ligeiramente inclinado para a frente

. Manter a bola controlada

. Olhar para o jogo, sem perder o controlo da bola

. Logo que possível, conduzir a bola com os dois pés e em trote.

 

DESMARCAÇÃO

 

Consiste na ocupação dos espaços vazios, por parte dos jogadores sem bola da equipa que está ao ataque, criando linhas de passe ao portador da bola. De preferência, a desmarcação deve ser feita na direção do alvo adversário. 

COMPONENTES CRÍTICAS

. Ocupar um espaço vazio, de preferência na direção do alvo do adversário

. Caso não receba a bola, não deve permanecer onde está, mas sim realizar outro deslocamento, afastando-se da bola e para um espaço vazio, abrindo assim mais uma linha de passe;

. Afastar-se do defensor, para receber a bola.

 

MARCAÇÃO 

 

Consiste na marcação de um adversário, com ou sem bola, não o deixando jogar ou receber a bola.

COMPONENTES CRÍTICAS

. Estar sempre próximo do adversário que se está a marcar;

. Estar sempre entre o adversário e o seu alvo.

 

REMATE

 

De todos os elementos técnicos, é o remate que permite satisfazer a finalidade do jogo – introduzir a bola na baliza. Pode ser realizado com a parte interna do pé ou com o peito do pé. 

COMPONENTES CRÍTICAS

. Pé de apoio ao lado da bola

. Rodar para fora, o pé que se vai utilizar (no caso do remate com a parte interna)

. Baixar a ponta do pé, extensão do pé que se vai utilizar (no caso do remate com o peito do pé)

. Fixar os olhos na bola

. Bater na bola com a parte interna/peito do pé, executando um movimento de trás para a frente, na direção da baliza

. Continuar o movimento da perna que executa o remate, deixando-a seguir a trajetória da bola

. No Caso de remate de bico pé de apoio direcionado para o local onde se pretende rematar. O remate é feito à frente do tronco com o “bico do pé” (parte     da frente).

Imagens: Manual - Hoje há Educação Física – 3º Ciclo- 1ª edição. Texto Editora Lda: Lisboa. 

 

 

Movimentação Ofensiva

 

Tem por objetivo criar uma situação de vantagem, que é aproveitada rapidamente. Na movimentação ofensiva é importante evitar o erro e o contra-ataque da equipa contrária.

 

Para haver êxito, na movimentação ofensiva, deve-se:

- Manter a troca de bola entre os alas e o jogador fixo no centro do campo, deslocando-se entre as suas posições, para criar linhas de passe ao pivot;

- Após passe, fazer a desmarcação, entrada em diagonal, com mudança brusca de ritmo e direção, para a posição de pivot; este vai para a posição de ala – compensação, mantendo-se assim o equilíbrio da ação ofensiva.

A concretização pode ser facilitada pelo apoio ao jogador com bola, na progressão para a baliza, ou pela assistência, passe ao companheiro de equipa, que se encontra na melhor posição, para finalizar o ataque.

 

 

Movimentação Defensiva

 

Tem por objetivo impedir a concretização do ataque adversário e recuperar a posse da bola, para iniciar rapidamente o contra-ataque.

 

Assim, na movimentação defensiva, deve-se:

- Fazer a interceção da bola e “corte” da linha de passe;

- Fazer o desarme, pressão sobre o jogador que recebe a bola, dificultando logo que possível a receção, e lutar para recuperá-la;

- Fazer a pressão sobre o primeiro passe, para impedir ou atrasar o início do contra-ataque, dando tempo aos companheiros de equipa na recuperação defensiva;

- Dar a ajuda a um companheiro de equipa, que marca o adversário direto e que pode, eventualmente, ser ultrapassado.

Sistema de jogo

Os sistemas de jogo mais usados no Futsal são:

2:2 - Normalmente, este sistema de jogo é usado pelas equipas principiantes.

Vantagens: exige pouca movimentação por parte dos seus 2 atacantes e dos 2 defesas.

Desvantagens: cria situações de desvantagem numérica contra equipas que atacam com 3 jogadores.

3:1 - Este sistema é o mais aconselhado em situações de aprendizagem ou mesmo em jogos do desporto escolar.

Vantagens: exige muita movimentação e constantes trocas de posição entre os jogadores, fazendo com que se ataque sempre e defenda sempre com, pelo menos, 3 jogadores.

Desvantagens: se os atletas não tiverem boa condição física, fatigam-se muito rapidamente, principalmente, os jogadores alas.

4:0 - Este sistema é o mais usado por equipas de alto nível. Os jogadores são universais, isto é, devem estar preparados para assumirem qualquer função de acordo com a sua posição no momento de recuperação ou de perda de bola. Requer grande qualidade no controlo da bola, no passe e grande cultura tática.

Vantagens: grande facilidade em se criarem espaços livres.

Desvantagens: obriga a um grande desgaste físico e se a equipa perde a posse de bola, não tem cobertura defensiva.